Thursday, July 13, 2006

A sangue frio

Não te quero apático,
Quero-te de sentidos despertos.

E dá-se início à cena:

Adivinhas-me...
{o terror é-te palpável...}
Observas-me...
{reconheces a dança dos passos...}
E escutas-me já sem reacção
{não há volta atrás}

Um dia será minha a queda. Até lá... Elimino eu!

9 Comments:

Blogger Friedrich said...

Não há reacção à melodia da musica, os passos ficam trôpegos com a frieza das acções... O palpável deixou de ter encanto acertado.

bjs

14/7/06 13:39  
Blogger Daniel Aladiah said...

Querida Ana
Imagino olhares fatais, palavras de sedução, braços abertos e corpos entrelaçados...
Um beijo
Daniel

15/7/06 17:00  
Blogger gato_escaldado said...

ha passos e caminhos sem regresso. o poema é belo. beijos

17/7/06 09:56  
Blogger JMTeles da Silva said...

Sou o mais burro dos teus leitores.
Não percebi patavina do que aqui querias transmitir. Se calhar não é imediato o sentido e teria que pensar. O que me cansa imenso.
Não te irrites, óvistes?
Bjokas.

25/7/06 11:32  
Blogger H. said...

Parece um jogo... O jogo da vida qui ça... ;)

Um beijinho de saudades Raquel *
H. (lost)

30/7/06 20:56  
Blogger MARCOS LOURES said...

A alma feminina
Chegara há pouco naquela cidadezinha perdida nas matas das Gerais.
Médico recém formado, dono dos invejáveis vinte e cinco anos de idade; época da vida em que se é rei e não se percebe.
Fora contratado para trabalhar no Programa de Saúde da Família, trabalharia na zona rural, num pequeno distrito longínquo da sede do município.
Nos primeiros dias, a notícia de que havia um jovem doutor se espalhou pela cidade, alvoroçando o coração da moças casadoiras e namoradeiras do lugar.
Extasiado com tanto assédio, começou a ter o prazer de ser bajulado e cortejado por todos na pequena cidade.
Feio não era, até pelo contrário, mas era tímido. Muito tímido por sinal.
E isso o impedira de ter tido as experiências com o sexo oposto comuns à sua idade e a “posição social” que atingira, de repente.
Família pobre, estudando com todas as dificuldades que são lugares comuns nesse país das injustiças, conseguira se formar com muito sacrifício de todos, inclusive dele.
No Rio de Janeiro, enquanto seus colegas saíam à noite, nas baladas cariocas, ele ficava em casa estudando ou dando plantões e mais plantões para ajudar a pagar a faculdade.
Mulheres? Não as teve, exceto uma ou outra namorada que, ao perceberem que o namoro se resumiria a um cinema no final da tarde ou um refrigerante na porta da faculdade, rapidamente iam “cantar em outra freguesia”.
Uma das coisas que o médico do Programa de Saúde da Família tem que fazer são as visitas domiciliares.
Normalmente, na zona rural, a realidade é muito diversa da que estão acostumados os urbanos doutores.
A simplicidade e a pobreza são lugar comum; mas a recepção com um cafezinho ou com a fruta da época são freqüentes. Café com guarapa, como é conhecido o caldo de cana nesses grotões.
Um bolo de fubá aparece, não se sabe como e é degustado com prazer verdadeiro e risonho.
Naquela região não era diferente, o que passou a dar ao nosso doutorzinho, uma nova dimensão de felicidade.
Numa das casas, morava uma senhora viúva com seus quatro filhos, dois meninos e duas meninas.
Maria Inês e Maria da Glória, duas meninas típicas da roça.
A mais velha, Maria Inês, com seus dezoito anos era mais tímida, escondida sobre uma mão que ocultava os dentes precocementes estragados e o sorriso doce da ingenuidade.
Mas quem chamava a atenção era Glorinha, menina ainda com seus catorze anos mal completados.
A primeira vez que a vira, reparara que ela não o olhava, sempre olhando para baixo.
A roupa de chita rasgada, mal ocultava os seios recém nascidos e rijos, seios que chamaram a sua atenção...
Os pés descalços, cheios de “bichos de pé”, diagnosticados como tungíase pelo doutor, os cabelos sujos e desalinhados contrastavam com os seios, belos seios emergindo por entre os rasgões do vestido.
Terminada a visita, o doutor retornou ao seu trabalho e à sua casa.
Nem mais se recordava da menina nem dos seios quando, um mês depois, foi comunicado de que iria retornar àquela casa.
Tudo como antes, tudo, as mesmas deficiências de vitaminas, a mesma miséria, a mesma ausência de tudo, o mesmo chão de terra batida, com os mesmos colchões e os mesmos cães dividindo o espaço com os habitantes da casa.
A única diferença que repara foi na mochila escolar esfarrapada que, a menina, enrubescida, usava por sobre o ombro direito...
Mal sabia ele que esse era o único enfeite que ela dispunha...

31/7/06 03:10  
Blogger Alex said...

Já não volta a dar.



Lembras-te de mim?


Um beijo.

5/9/06 17:20  
Blogger amita said...

Deixo-te um bjinho com saudades de te ler. Uma boa semana.

18/9/06 00:18  
Blogger Lord of Erewhon said...

Isto morreu?

27/9/06 13:06  

Post a Comment

<< Home